Seguro de automóvel: quando é considerado perda total?

Ter um seguro de automóvel é uma despesa com a qual poucas pessoas querem arcar, mas que faz uma diferença enorme quando se está em uma situação difícil. Seja com falhas mecânicas ou acidentes mais graves, o seguro automobilístico é ainda a melhor opção para que você não se preocupe com o seu patrimônio, afinal, é a seguradora quem irá resolver o problema. Mesmo assim, sempre surge a dúvida em relação ao que é uma perda total de um veículo. Por conta disso, vamos esclarecer um pouco sobre o assunto no post de hoje. Veja a seguir:

Quando é configurada a perda total

Para todos os efeitos, a perda total só acontece quando os custos de conserto do veículo ultrapassam 75% do valor dele, de acordo com a tabela FIPE. Outros adendos devem ser observados no contrato do seguro, pois são negociados diretamente com a seguradora.

Um exemplo prático

Thiago tem um carro do ano de 2012, cujo valor de acordo com a tabela FIPE é de R$ 23.914,00. Infelizmente, no final de semana, Thiago sofre um acidente e tem que acionar a seguradora, pois o carro ficou em frangalhos.

Passo 1: orçamento

Antes de dizer se o carro deu PT ou não a seguradora pedirá um orçamento do conserto do carro. É de praxe que se consultem ao menos três mecânicas diferentes para comparar os orçamentos, ou então a seguradora envia para uma mecânica parceira.

Passo 2: diagnóstico

A mecânica parceira da seguradora informa que o conserto do carro de Thiago sairá R$ 15.547,00. Fazendo uma regra de três simples:

23.914,00 = 100% do valor do carro

15.547,00 = X

23.914,00 X = 15.547,00 x 100

X = 1.554.700,00 / 23.914,00

X = 65,01%

Ou seja, o carro de Thiago não sofreu perda total e deverá ser consertado.

Tem como mudar isso?

Dificilmente você conseguirá convencer a seguradora do contrário, tendo em vista que ela vai primar por pagar a menor indenização a você. Muitos mecânicos fazem verdadeiros milagres com carros batidos, mas, de qualquer forma, você deverá continuar com o seu carro do jeito que ele ficar.

Mitos e inverdades

Muitos boatos surgem de que uma situação ou outra definem a perda total, como a abertura do air bag, danos ao eixo do carro, entre outras, mas a verdade é que isso não existe. A regra é a que explicamos acima: só tendo um prejuízo acima de 75% do valor da tabela FIPE é que o seu carro será considerado como perda total.

Como funciona a indenização?

Se for constatado que o seu carro sofreu perda total, a seguradora ressarcirá você do valor integral do veículo de acordo com a tabela FIPE. Por mais que o seu carro valha mais, o valor é o informado na tabela.

Pode ocorrer exceções, caso exista no contrato do seguro, alguma cláusula sobre equipamentos que estivessem no carro, como notebooks, leitores de CD e DVD, sistema de som, entre outros.

Ainda ficou com alguma dúvida relacionada à perda total de um veículo? Já verificou o contrato do seu seguro para certificar-se de que não existe nenhuma condição restritiva? Deixe seus comentários!

Newsletter

Deixe uma resposta